Registros Familiares- genealogia

Volto a publicar neste blog após tanto tempo sem nada a relatar.
Tenho deixado de lado a culinária e o artesanato, para me dedicar à genealogia. Muitas descobertas interessantes, muitas fotos antigas e preciosas e ligações entre pessoas de diversas partes do mundo, mostrando que todos temos algum pedacinho do “dna” em comum.
Pretendo organizar aqui alguns registros, para que possam ser úteis a quem também se interessar no assunto. Deste modo, se alguém também quiser compartilhar informações comigo, ficarei imensamente grata.
Grande abraço a todos!

Bolsão porta controles e livro

10154523_10207824969043465_2672448586664525947_n
Uma amiga me pediu um “porta-controle remoto com porta-livro para a cabeceira da cama”. Eu nunca havia feito mas imaginei algo como um bolsão mesmo, depois modifiquei para um compartimento com 3 espaços para os controles remotos e o celular ou óculos e ficou assim:
12113364_1141162865898696_344012374004318280_o.
Para este porta-treco usei um pedaço de matelassê, que é aquele enchimento comprado pronto das colchas tipo edredom, mas mais fininho, além do tecido para revestimento (no caso, o xadrez) e dois colchetes grandes. Basicamente as medidas do bolsão pronto são estas:
bolsão
Você deve cortar o matelassê assim: 1 peça de 35 X 28 cm; 1 peça de 16 X 25 cm para o porta-livros (1,5 cm sobrarão para cada lado, para formar o bolso); 1 peça de 30 X 14 cm para formar os 3 bolsinhos menores ( 1,5 cm sobrarão de cada lado); 2 peças de 24 X 5 cm para as alças, que ficarão na cabeceira.
O tecido deve ser cortado com 1,5 cm de sobra ao redor, para a costura.
WP_20151012_17_35_13_Pro
Para o acabamento da borda superior, junte direito com direito (matelassê e tecido) justinho, e passe à máquina. Vire e passe a costura lateral:WP_20151012_17_39_00_Pro - CopiarWP_20151012_17_23_33_Pro. Dobre o tecido para dentro como uma pequena barra nas laterais e no fundo, alinhave e passe a máquina. Faça o mesmo com as peças que servirão de bolsos e prenda com alfinetes nos lugares. Alinhave as bordas e faça um pequeno ajuste, como uma preguinha, neste ponto, alinhavando o fundo do bolso. Para o bolso com três compartimentos, alinhave as laterais, deixe uma preguinha (1,5 cm) de cada lado ajeite o fundo (alinhave) e marque com alfinetes os pontos onde serão fixados os bolsinhos, alinhavando em seguida.WP_20151012_17_21_43_ProWP_20151012_17_20_32_Pro
Passe a costura a máquina sobre os alinhavos. Fixe as alças, que já foram feitas anteriormente.Prenda deixando 1,5 cm para dentro da “base”. Pregue os colchetes.WP_20151014_22_02_51_Pro
WP_20151014_22_01_10_Pro
Em tempo: comprei 50 cm de matelassê com motivo xadrez pequeno e 50 cm de um tecido xadrez em algodão penteado, ambos com 1,40 cm de largura. Sobrou material para uma bolsa e uma saia para minha filha:
WP_20151017_22_45_33_Pro

WP_20151018_20_01_34_Pro. Mas isto é outro post…

Arroz “tipo Paella”

paella pronta
Serei bastante honesta em reconhecer que este arroz caprichado não é como a Paella original, mas um “tipo Paella”, feita com frutos do mar. Fiz como um almoço especial de domingo, na minha Forma Fulgor. Então, basta de lenga-lenga:
ingredientes paella2
Prepare antecipadamente os ingredientes, picando os vegetais e limpando os frutos do mar.
1 xícara (chá) de arroz lavado
1 copo de vinho branco seco
500 ml de água fervente
meia cebola picada ou 1 dente de alho picado (eu não gosto de alho no arroz, mas se você gosta, vá em frente)
meio pimentão médio amarelo picado
uma xícara (chá) de tomate picado (usei tomatinhos cereja e gostei do sabor)
meia xícara (chá) de cheiro-verde ou salsinha picada
200 g de camarões ferro, limpos (tire a tripa que fica nas costas ou compre-os já limpos)
250 g de mexilhões limpos (se tiver alguns com casca, reserve para o toque final do prato)
250 g de lulas em rodelas
óleo para refogar
açafrão da terra
sal e pimenta a gosto (usei um pouquinho da pimenta síria)
azeite de oliva
paella cebolas
Refogue a cebola em pouco óleo e quando estiver translúcida acrescente os tomates e o pimentão. Refogue mais um pouco.
paella frutos do mar
Acrescente os mexilhões e depois de alguns minutos coloque as rodelas de lula. Aprendi no site da Consul (vejam lá as dicas bem legais)que com relação a lula e polvo vale a “lei do tudo ou nada”: ou você cozinha no máximo por 5 minutos ou senão por mais de 25 minutos, nunca no tempo intermediário. Isso porque até os 5 minutos eles não ficam duros, depois enrijecem e para que voltem a ficar macios é necessário cozinhar por mais de 25 minutos. Na situação da paella isto é uma verdade, então pense que eles ficarão no fogo por mais de 25 minutos.
Orvieto paella
Acrescente o copo de vinho, deixe reduzir um pouco. Acrescente cerca de 1 colher (café) de açafrão, sal a gosto e uma pitada de pimenta; prove. Acrescente o arroz, misture, coloque aos poucos a água fervente (metade) e tampe a panela.
paella na Fulgor
A parte, frite ligeiramente os camarões (4 minutos) e reserve.
Acrescente a salsa picada (ou o cheiro-verde). Mais ou menos aos 20 minutos do início do preparo acrescente os camarões por cima, o arroz já estará quase seco, polvilhe um pouquinho de sal e tampe novamente. Após uns 5 ou 10 minutos estará pronto. Retire do fogo e deixe “descansar” um pouco.
paella arroz
paella pronta detalhepaella prato2
Neste prato eu não coloquei mexilhões com casca, porém ficam muito bonitos no conjunto. Lave-os muito bem e coloque sobre o arroz quando na segunda metade da água (lembra que você tem que colocar 250 ml + 250 ml?). Se algum não abrir, elimine-o.
Lembre-se: não é um prato para fazer com pressa, vai ao fogo lento, é “slow food”. Enquanto isso, beberique uma taça de vinho, por que não?!
Rende cerca de 5 porções.

Macarrão com queijo e cogumelos (receita sem foto)

Macarrão sem queijo é igual a amor sem beijo.
Meus avós faziam um macarrão com muçarela derretida que a gente comia ajoelhado. Depois de grande, apareceram na TV as receitas americanas e o famoso mac&cheese deles, que é prático e funciona muito bem. Esta minha versão é também fácil e gostosa.
250 a 300 g de macarrão curto (tortinho, parafuso, gravatinha, caracol) de boa qualidade (não estou ganhando dinheiro com isso, mas a Barila tem um pacote mais popular que costumo comprar no dia a dia, pois está quase o mesmo preço que o nosso)
1 bandejinha de cogumelos frescos (ou outro de sua preferência)
meia cebola picada
1 lata de creme de leite
1 xícara (chá) de leite comum
100 g de queijo montanhês ralado (ou outro mole, como muçarela, estepe, gouda, prato…vai do momento e do bolso)
50 g de queijo parmesão ralado
3 colheres (sopa) de óleo
sal a gosto
Refogue no óleo a cebola picada.Pique os cogumelos e acrescente, refogue mais um pouco. Junte o creme de leite e os queijos e mexa para incorporar, mantendo em fogo médio. Junte o leite aos poucos para diluir um pouco o creme e se achar que está ainda muito grosso coloque mais leite.Prove o sal do creme e se necessário coloque um pouco mais (é preferível menos que mais!).
Enquanto está preparando o creme, cozinhe o macarrão em bastante água com um punha do de sal e quando estiver cozido mas firme retire.
Misture o creme de queijo ao macarrão e sirva quente.
*Quer colocar no forno e gratinar? Pode ser, espalhe um pouco de parmesão ralado por cima e leve ao forno quente (200ºC) por 15 minutos para gratinar.
**Falei do macarrão com muçarela, deu vontade? Então, cozinhe o macarrão curto (tortinho ou parafuso) e quando estiver “all dente” escorra quase toda a água do cozimento, mas deixe um pouquinho no fundo da panela (vai voltar ao fogo baixo), junte 300 g a 500g de muçarela que derreta bem, picadinha ou ralada, sobre o macarrão e misture delicadamente. Tampe a panela um minutinho para que o vapor da água que restou derreta o queijo. Eles (meus avós) não faziam com creme de leite, mas use de “licença poética” e acrescente, se gostar.
Mangia che te fa bene.

Bolo gelado de Coco

11174206_1060542580627392_4172954035662079151_o
Tenho uma amiga que adora doces mas é um desastre na cozinha, por isso toda vez que faço uma “experiência” ela a aceita com um prazer que me faz sentir uma “vera mamma italiana”. Ela me deu de presente um pedaço de bolo de coco que comprou e “sugeriu” que eu aprendesse a receita, então…
Bolo: faça aquela sua receita de bolo simples, mas infalível-> 3 ovos separados com as claras batidas em neve, 1 xíc. (chá) de açúcar, 1 e 1/2 xíc. de farinha de trigo, 1 xíc. (chá) de leite, 3 col.(sopa) de margarina ou manteiga sem sal, 1 col (sobremesa) de fermento em pó, 1 col.(chá) de essência. Bata as gemas com o açúcar até ficar um creme branco, junte a manteiga, bata, depois alterne o leite com a farinha, batendo. Junte delicadamente a metade das claras em neve, misture delicadamente, depois o restante, sempre com cuidado para não “quebrar” a estrutura das claras e por fim o fermento e a essência. Forma média retangular (a minha é a de 22 X 33 cm), untada e enfarinhada. Asse em forno pré-aquecido por uns 35 minutos.
Calda para molhar o bolo: 400 ml de leite + 1 vidrinho de leite de coco + 4 col. (sopa) de açúcar. Ferva um pouco e reserve. Fure o bolo quente com um garfo e espalhe a calda quente por cima (deixe um pouquinho…), espalhe sobre o bolo 100 g de coco ralado fresco ou flocos de coco reidratado.Jogue por cima do coco aquele restinho de calda que reservou.
Cubra com papel alumínio e leve para gelar de um dia para outro, de preferência. Depois de frio, corte em quadradinhos.
Pode ser embrulhado, para picnics e festinhas infantis.

Torta de maçãs, feita com massa de pastel.

11119409_1061774993837484_4541593675372321332_o
Dona Lourdes me passou a dica e eu resolvi experimentar: Torta de maçãs feita com a massa do pastel de feira, aquela que a gente compra enroladinha para fazer o nosso pastel em casa. Acredito que uma grande vantagem seja a de ser uma massa leve, sem gordura. O diferencial fica no recheio, que a meu ver poderia ser assado também sozinho, como uma outra sobremesa diferente, que tal?!
Recheio: 4 maçãs grandes (usei as Red), descascadas e cortadas em gomos, mantidas em água com suco de limão até a hora de usar + 1 lata de leite condensado (uso e gosto do Mococa) + 1 caixinha de creme de leite + 2 gemas de ovos + 1 colher (chá) de essência de baunilha + 1 xic. (chá) de nozes picadas + 1/2 xic. (chá) de uvas passas demolhadas. Faça um creme com o leite condensado, o creme de leite, as gemas e a essência, levando ao fogo lento até começar a engrossar (não muito).
Montagem: Unte uma forma média de torta, forre com a massa de pastel, cortando as sobras e se quiser pode usar uma dupla cama de massa. Espalhe metade das passas e nozes, depois ajeite os gomos de maçãs, novamente o restante das nozes e passas e por cima de tudo o creme.
Asse em forno médio pré-aquecido por cerca de uns 40 minutos. Eu coloco sempre uma forma de pizza por baixo da minha forma de torta, para evitar transbordamentos.
Sirva morna com chantilly ou fria.
11357388_1061775073837476_1276392631694042811_o

Torta salgada com massa de batatas

janeiro15 005 janeiro15 004
Já havia feito o Rocambole de Batatas (receita neste blog) e experimentei usar a mesma massa para fazer como torta e ficou muito bom.
Massa:
1 kg de batatas, cozidas com casca e espremidas como que para purê (reserve 1 xícara de purê para o recheio)
2 xícaras (chá) de farinha de trigo+1 xícara de amido de milho (maisena)
1 colher(chá) de sal
1 colher (sobremesa) de fermento em pó
1 gema (reserve a clara para o recheio)
Misture tudo à batata amassada fria e reserve, enquanto prepara o recheio.
Recheio:
1 maço de espinafre, lavado e cozido somente no vapor da própria água que fica nas folhas(*)
metade de um pimentão vermelho pequeno picadinho
metade de um pimentão amarelo picadinho
1 cebola média picadinha
1 xícara (chá) de cheiro-verde (salsinha+cebolinha) picado
400 g de requeijão cremoso (usei o Tirolês)
1 xícara (chá) do purê de batatas (reservado)
2 colheres (sopa) de maisena diluída em um pouquinho de água ou leite
1 colher (chá) de sal
2 claras de ovos, batidas em neve (reserve uma gema para pincelar a torta)
3 colheres (sopa) de óleo, para refogar
Refogue os vegetais no óleo, na ordem: cebola, pimentões, espinafre picado, purê de batatas. Adicione o cheiro-verde picado, mexa; adicione o requeijão, mexa; adicione a maisena diluída, mexa e retire do fogo. Bata as 2 claras de ovos em neve e junte ao recheio delicadamente, primeiro 1/3, misture e depois o restante. Prove o sal e reserve.
Preparo:
Pré-aqueça o forno a 200ºC (médio), forre uma forma de aro removível com papel manteiga ou laminado, untado.
Abra a massa em superfície enfarinhada, verificando se está firme o suficiente, mas não dura, para ser colocada na forma e retire 1/3 desta massa para a cobertura da torta (se necessário coloque mais farinha, mas aos poucos); forre a forma com os 2/3 de massa restantes, ajudando com os dedos a nivelar as laterais se necessário. É uma massa parecida com a de nhoque firme. Deixe as laterais com “três dedos de altura” (medida do olhômetro!).
Recheie com o creme de vegetais preparado e morno; abra o restante da massa, coloque sobre o recheio e aperte as bordas, selando a torta. Pincele com a gema de ovo batida, faça alguns furos no topo com o garfo e leve para assar por cerca de 50 minutos.
Sirva morna.
Notas:
Minha forma de aro removível ainda é aquela que enferruja fácil, fácil, por isso, assim que possível, eu retiro as tortas preparadas, pois senão a massa fica com gosto ruim. Se a sua forma também for assim, não se esqueça de forra-la muito bem e retirar a torta assim que possível.
Algumas pessoas gostam de refogar também os talos picadinhos do espinafre; eu não gosto do sabor, mas fica a seu critério.
Experimente sempre o sal: é preferível colocar de menos a se arrepender depois!
Como já escrevi acima, esta massa é muito boa para fazer o Rocambole de batatas e o recheio fica por conta da sua vontade.

O que fazer com as sobras da ceia? Pastelão!

dezembro14025 Sobras de frango, peru ou mesmo carne podem ser reaproveitadas de uma maneira bem gostosa, em um prato único para um almoço ou jantar descontraído.
A massa eu já postei, é a minha de pastelão, mas para quem não quer procurar, aqui vai:

Pastelão de Frango e Legumes
Massa:
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 xícara (chá) de amido de milho (maisena)
100g de manteiga ou margarina sem sal + 20g de gordura vegetal (ou 120g de manteiga)
2 gemas
2 colheres(chá) de fermento químico em pó
3/4 de xícara (chá) de leite morno
1 pitada de sal
1 colher (sopa) de queijo ralado (opcional
Com exceção do leite morno, coloque todos os ingredientes no processador, para formar uma farofa; retire, coloque numa tigela e acrescente, aos poucos, o leite morno, sentindo o ponto. A massa não deve ficar molenga, muito menos passar do ponto e ficar dura; ela fica com uma consistência bem macia. Embrulhe em papel filme e reserve na geladeira por uns 30 minutos.
Enquanto isto, prepare o recheio e aqueça o forno a 180ºC.
Recheio:
Sobras de frango (ou peru, ou carne desfiada), o equivalente a um prato fundo de sopa
1 pote de requeijão Danone (200g) ou catupiry
as 2 claras que sobraram
1 abobrinha pequena ralada no ralador grosso
1 cenoura pequena também ralada
1 cebola média, picadinha
1 tomate picadinho
Cheiro-verde picado se gostar
1 colher (sopa) de amido de milho (maisena)
1 colher (chá rasa) de sal
3 a 4 colheres (sopa) de óleo
Refogue na ordem a cebola, a cenoura, a abobrinha, o tomate, as sobras de frango, misturando.Coloque o sal, prove, tire do fogo, junte o requeijão, as claras, a maisena e misture. Reserve.
Preparo:
Abra a metade da massa em superfície levemente enfarinhada e forre uma forma média de torta, fure com o garfo o fundo e as laterais, cubra com papel laminado (alumínio), coloque feijões e asse por uns 15 minutos. Retire o papel com os feijões, recheie, abra a outra metade da massa e cubra o pastelão, trabalhando as bordas (pode apertar uma massa contra a outra e se houver sobra de massa, fazer um cordão para o acabamento). Pincele com gema de ovo batida, faça alguns furinhos no topo e leve para assar por 30 minutos, ou até dourar.
dezembro14023
Por que pré-assar com laminado e feijões? Para que a massa de baixo não fique crua, quando o pastelão estiver dourado.
Caso não tenha amido de milho na hora de fazer o pastelão, pode-se usar somente farinha de trigo, embora a massa não fique tão fofinha.

Pavê de biscoitos Oreo

dezembro14 007
Mais fácil que este, só dois deste!
280g de biscoitos Oreo (2 pacotes de 140g), picados grosseiramente
300ml de creme para chantily Amélia
200g de requeijão (Usei o Danone e aprovei)
1 colher (sopa) de essência de baunilha
Bata o chantily até dobrar o volume e acrescente o requeijão e a baunilha, batendo mais um pouco até ficar firme.
Alterne numa travessa média as camadas de creme (3) com as de biscoito picado (2) e decore com raspas de chocolate.
Só isso!

Torta Natalina de Cerejas

dezembro14 010
A massa desta torta é a utilizada na tradicional torta de maçãs americana (a “da vovó Donalda”); assim, aproveite para experimentar com maçãs, peras, ameixas ou outras frutas vermelhas.
Massa:
250 g de farinha de trigo
1 pitada de sal
100 g de manteiga sem sal gelada cortada em pedacinhos + 20 g de gordura vegetal ou margarina
1 colher (sopa cheia) de açúcar
1 gema
6 colheres (sopa) de leite gelado ou água gelada
Misture com a ponta dos dedos para formar uma massa lisa ou então processe no processador de alimentos (formará uma farofa, que deverá ser amassada levemente), forme dois discos, embrulhe em filme plástico e gele por 30 minutos. Reserve.
Recheio:
500 g de cerejas frescas, sem caroço
3/4 de xícara (chá) de açúcar
3 colheres(sopa) de maisena (amido de milho) ou farinha de arroz
Misture numa tigela e deixe repousar por 30 minutos.
Pré-aqueça o forno a 180º C; abra um dos discos de massa, forre o fundo e laterais de uma forma redonda (22 cm), fure a massa com garfo (isso evita que ao assar a massa levante), cobra com papel laminado e feijões, asse por 20 minutos, retire o papel e os feijões.
Coloque as cerejas reservadas (se formar muito caldo, elimine), um montinho maior no cento; abra o outro disco de massa, faça um ou dois furos (usei um cortador de biscoitos pequeno) na massa (para sair o vapor do cozimento), coloque sobre o recheio, apertando as bordas da massa. Pincele a cobertura com uma gema batida ou com leite e polvilhe açúcar.
Asse por cerca de 20 a 25 minutos, ou até dourar.
A torta fica com uma aparência rústica, por conta do formato das frutas do recheio, mas fica muito bonita.
Sirva fria, com uma bola de sorvete, se preferir.
Nota: este tipo de massa deve ser trabalhada sempre com pouca manipulação, mãos frias se possível, para a massa não ficar “emborrachada”.
Outra dica: às vezes forma muito suco no centro da torta assada, por isso se preferir refogue as cerejas com o açúcar e a maisena antes, formando uma goma que irá diminuir o líquido que se forma.
dezembro14 011
dezembro14 009
dezembro14026
Esta foi feita em um prato fundo de sopa.