Bolsão porta controles e livro

10154523_10207824969043465_2672448586664525947_n
Uma amiga me pediu um “porta-controle remoto com porta-livro para a cabeceira da cama”. Eu nunca havia feito mas imaginei algo como um bolsão mesmo, depois modifiquei para um compartimento com 3 espaços para os controles remotos e o celular ou óculos e ficou assim:
12113364_1141162865898696_344012374004318280_o.
Para este porta-treco usei um pedaço de matelassê, que é aquele enchimento comprado pronto das colchas tipo edredom, mas mais fininho, além do tecido para revestimento (no caso, o xadrez) e dois colchetes grandes. Basicamente as medidas do bolsão pronto são estas:
bolsão
Você deve cortar o matelassê assim: 1 peça de 35 X 28 cm; 1 peça de 16 X 25 cm para o porta-livros (1,5 cm sobrarão para cada lado, para formar o bolso); 1 peça de 30 X 14 cm para formar os 3 bolsinhos menores ( 1,5 cm sobrarão de cada lado); 2 peças de 24 X 5 cm para as alças, que ficarão na cabeceira.
O tecido deve ser cortado com 1,5 cm de sobra ao redor, para a costura.
WP_20151012_17_35_13_Pro
Para o acabamento da borda superior, junte direito com direito (matelassê e tecido) justinho, e passe à máquina. Vire e passe a costura lateral:WP_20151012_17_39_00_Pro - CopiarWP_20151012_17_23_33_Pro. Dobre o tecido para dentro como uma pequena barra nas laterais e no fundo, alinhave e passe a máquina. Faça o mesmo com as peças que servirão de bolsos e prenda com alfinetes nos lugares. Alinhave as bordas e faça um pequeno ajuste, como uma preguinha, neste ponto, alinhavando o fundo do bolso. Para o bolso com três compartimentos, alinhave as laterais, deixe uma preguinha (1,5 cm) de cada lado ajeite o fundo (alinhave) e marque com alfinetes os pontos onde serão fixados os bolsinhos, alinhavando em seguida.WP_20151012_17_21_43_ProWP_20151012_17_20_32_Pro
Passe a costura a máquina sobre os alinhavos. Fixe as alças, que já foram feitas anteriormente.Prenda deixando 1,5 cm para dentro da “base”. Pregue os colchetes.WP_20151014_22_02_51_Pro
WP_20151014_22_01_10_Pro
Em tempo: comprei 50 cm de matelassê com motivo xadrez pequeno e 50 cm de um tecido xadrez em algodão penteado, ambos com 1,40 cm de largura. Sobrou material para uma bolsa e uma saia para minha filha:
WP_20151017_22_45_33_Pro

WP_20151018_20_01_34_Pro. Mas isto é outro post…

Anúncios

Avental com sobras de tecidos


Este e mais outros 2 aventais foram feitos com algodão cru e sobras de tecidos que utilizei nas capas de poltronas, almofadas e roupas, aqueles retalhos que teimamos em guardar em montes e montes de sacos dentro dos armários e ficam ali só preenchendo espaço. Chega! Já está na hora de colocar energia para fluir!
Pois bem, comprei uma revista de patchwork de 2003 num sebo aqui perto de casa e aproveitei a ideia de Marly Blumberg, de seu avental de Natal, porém utilizando meus retalhos.
O molde abaixo foi escaneado da revista e é super fácil de fazer. Os acabamentos são viés, para a borda superior, e tiras laterais e inferiores de 8 cm de largura, dobradas ao meio. A tira do pescoço é de tecido com 56cm X 6cm de largura (que será dobrado ao meio) e as tiras da cintura poderão ser feitas com 50cm ou com 100cm X 6cm de largura (também dobrado ao meio).
Os bolsos recebem um acabamento também com retalhos.

Outra boa aplicação para este molde de Marly Blumberg é a confecção de aventais em tecido TNT, que é baratinho e pode ser oferecido em eventos, como Workshops de culinária ou de artesanato, aos participantes.

Capas para Cadeiras

Neste feriado prolongado de 15 de novembro aproveitei para costurar capas para seis cadeiras altas que tenho na sala de jantar.
Apesar do estofamento original das cadeiras ainda estar em bom estado, capas servem como uma boa proteção, além de renovarem o ambiente.
E conforme o nosso humor poderemos ter vários ambientes, apenas trocando as capas.
Estou num momento vintage, floral, por isso escolhi duas padronagens bem “vovozinha”, em popeline.
O metro do tecido saiu a R$24,00 e utilizei 5,30m para fazer as seis capas de encosto e seis capas de acento(um conjunto). Optei em fazê-las separadas, pois comprei tecidos para dois jogos de capas, que combinam entre si (“composê”).

Partindo então da cadeira original, tirei as medidas do acento(frente e fundos), das laterais, da parte de trás e da frente do encosto, observando que a cadeira tem um desenho assimétrico e a medida da base do encosto é menor que a parte do alto. Isto foi compensado pela largura da madeira na base, que era maior. Utilizo tecido de prova (algodão cru ou um lençol velho) para riscar os moldes, pois facilita o manuseio e os encaixes da modelagem. Feitos os moldes, estes são unidos com alfinetes na própria peça e ajustados. Retiram-se as possíveis irregularidades e então transferem-se as medidas para o tecido, deixando 1 cm para as costuras. Todas as peças são alinhavadas e novamente vestidas na cadeira, para então ser feita a costura final e os acabamentos.

A capa do acento recebe uma tira de elástico largo, ou em toda a volta ou apenas no fundo e por baixo da cadeira. Optei por esta segunda ideia, pois fixou melhor a capa no acento (tenho duas meninas muito agitadas em casa!!).

Esta padronagem é a do segundo conjunto de capas e pode ser combinado com o anterior.

Você pode optar por um tecido mais firme, tipo lona, lonita, sarja ou mesmo jeans, ou ir em direção oposta, seguindo com uma chita bem florida e alegre!